ENTREGA DE PRONTUÁRIO HOSPITALAR AO MÉDICO PARA SUA DEFESA EM PROCESSOS JUDICIAIS

Por Sergio Domingos Pittelli

É vedado que hospitais entreguem o prontuário médico hospitalar, para que possam exercer sua defesa, a médicos processados judicialmente por ex-pacientes?

Caso não seja vedado, a recusa do hospital pode ensejar medidas disciplinares contra o Diretor Médico da instituição?

Em parecer recente, o CREMESP manifestou seu entendimento de que não há óbice à entrega (Parecer nº 88.516/17).

É comum que hospitais, geralmente representados por seus advogados internos, se recusem a fornecer o prontuário ao médico processado judicialmente, para que este possa se defender.

As alegações giram em torno do direito do paciente ao sigilo sobre sua condição clínica e ignoram completamente o direito do médico ao devido processo legal, ao amplo direito de defesa e ao contraditório.

Em resposta à Consulta nº 88.516/17, em 04/07/2017, o CREMESP exarou seu entendimento de que não há qualquer óbice a que os hospitais entreguem o prontuário nessas circunstâncias, estando inclusive obrigados a tal.

Assim reza a ementa deste documento:

Em que pese a regra ser a da não entrega do prontuário, diante da leitura do artigo 73 do Código de Ética Médica, verifica-se que não haverá violação do sigilo médico nos casos de justa causa, dever legal ou autorização expressa do paciente. O sigilo médico visa preservar a intimidade do paciente, punindo o médico que revelar as confidências recebidas em razão de seu exercício profissional. Contudo, este dever de guardar sigilo não é absoluto, visto que pode ser revelado em casos excepcionais, como descrito no artigo supracitado.”

O texto aponta e transcreve os Artigos 89 e 73 do Código de Ética Médica, esclarecendo, quanto ao primeiro, que, apesar de estar expressa a vedação ao fornecimento de cópias do prontuário, já consta do próprio caput do dispositivo a ressalva de que o médico poderá fazê-lo “para a sua própria defesa”. Esta medida é ainda regulamentada no § 2º do mesmo artigo, o qual determina que o médico, a dela lançar mão, deverá requerer que seja observado o sigilo profissional. Quanto ao segundo, aponta o instituto de justa causa como fundamento para a exceção permitida ao médico.

Conclui, pelo conteúdo dos dois dispositivos citados, que os direitos não são absolutos e que deve prevalecer, no caso, o direito do médico à própria defesa.

Veja no anexo, a íntegra do Parecer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMUNICADO IMPORTANTE

O PITTELLI ADVOGADOS tomou conhecimento de um golpe via Whatsapp/Facebook que está sendo aplicado em estudantes de Direito, candidatos a vagas de estágio, que envolve o nome e o endereço em que este escritório está situado.No golpe o sujeito indica que um escritório situado na Rua Oscar Freire, citando nosso endereço completo, está contratando estagiários e requer o envio de fotos dos documentos pessoais dos candidatos.

O PITTELLI ADVOGADOS esclarece que não está com vagas disponíveis de estágio e que não faz, nem nunca fez, contato com estudantes de Direitos por meio do Whatsapp/Facebook, muito menos solicita que estes enviem fotos ou cópias de seus documentos pessoais.

Os sócios da área criminal do PITTELLI ADVOGADOS já estão tomando as medidas cabíveis junto às autoridades públicas.

Recomendamos a todos que tenham passado seus documentos para os golpistas que procurem a Polícia para lavratura de Boletim de Ocorrência. Aos que estão em contato com o golpista neste momento, recomendamos que encerrem quaisquer contatos e envie esta nota aos amigos que possam vir a ser vítimas.